Proteína na alimentação dos bebês

Existem muitos nutrientes necessários envolvidos no desenvolvimento de um bebê, desde sua concepção até a vida adulta, além dos estímulos afetivos, sensoriais e cognitivos É muito comum os pais se preocuparem com a alimentação dos bebês, principalmente porque o crescimento infantil é visível no decorrer de toda a infância.

Além do crescimento, as proteínas cumprem funções na estrutura do corpo, como articulações, cartilagens, cabelos e unhas, funções reguladoras, sistema de defesa e controle da circulação do bebê.

Para que o bebê tenha todos os benefícios das proteínas é importante que ele seja amamentado com o leite materno que é o alimento perfeito, produzido pelas mães especialmente para o seu filho, de acordo com as suas necessidades. As proteínas presentes no leite materno se modificam em diferentes concentrações no decorrer do crescimento do bebê, sem sobrecarregar seu organismo e principalmente os rins.

As proteínas ingeridas nesta fase irão beneficiar o bebê até a vida adulta, pois serão completamente utilizadas nas quantidades especificas de cada fase dos primeiros mil dias de vida. Quando não for possível o aleitamento materno o pediatra ou nutricionista deve recomendar uma fórmula infantil que contenha proteínas adaptadas.

O leite de vaca integral possui uma quantidade de proteína 4x maior que o leite materno. Já existem estudos hoje que mostram que crianças que consomem uma alta quantidade de proteína nos primeiros anos de vida tem maior chance de desenvolver sobrepeso ou obesidade na vida adulta. Por esta razão o leite de vaca integral deve ser evitado, pois os cuidados na infância devem ser totalmente pensados na prevenção das doenças crônicas como obesidade, diabetes, hipertensão arterial para a vida adulta.

              ———-

Referências bibliográficas

Tirapegui J.; Castro I. A.; Rossi L. Biodisponibilidade de Proteínas. Biodisponibilidade de Nutrientes, Silvia M. Franciscato Cozzolino, Barueri, São Paulo: Manole, p. 67-123.

Michaelsen, Kim F., and Frank R. Greer. “Protein needs early in life and long-term health.” The American journal of clinical nutrition 99.3 (2014): 718S-722S.

Dias, M.C.A.P.; Freire, L.M.S.; FranchescHINI, S. C. C. Recomendações para alimentação complementar de crianças menores de dois anos. Revista de Nutrição, Campinas, v. 23, n.3, p. 475-486.

Caetano, M.C.; Ortiz, T.T.O; Silva, S.G.L.; Souza, F.I.S.; Sarni, R.O. S. Complementary feeding: innapropriate practices in infants. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 86, n. 3, p. 196-201.

 

*Este artigo é padrão para simples entendimento, com base em pesquisas. E não exclui a necessidade de orientação e acompanhamento de um profissional.

 

 

compartilhe: